A importância das cervejarias na competitividade dos destinos turísticos

As cervejas artesanais caíram no gosto do brasileiro. Prova disso é o crescimento da produção pelo país e o aumento do número de eventos e festivais, que nos próximos meses devem atrair turistas para a feira Brasil Bier, em São Paulo (SP), para o Minas MixBeer, em Belo Horizonte (MG) e para a tradicional Oktoberfest, em Blumenau (SC).


A exemplo da Serra Gaúcha (RS), que se firmou como destino turístico apostando em suas vinícolas, Blumenau e cidades vizinhas catarinenses passaram a atrair turistas criando um roteiro de visitação para 11 cervejarias da região, conhecido como a Rota da Cerveja. A rota, criada em 2005, leva o visitante a conhecer o processo de fabricação de cervejas, do preparo dos ingredientes ao processo de fermentação do líquido. As principais cervejarias estão nas cidades de Blumenau, Pomerode, Jaraguá do Sul e Timbó. A prefeitura de Blumenau oferece um aplicativo gratuito pela internet com a  localização e histórica das cervejarias.

De acordo com o secretário Nacional de Políticas de Turismo, Vinícius Lummertz, ao oferecer ao turista um produto típico da cultura, a região ganha ainda mais força turística. “Ao reforçarmos os atrativos da região, há um ganho indiscutível de competitividade para o destino”, afirma. Blumenau já promove a maior festa alemã do país, a Oktoberfest. O parque da Vila Germânica, onde é realizada a festa, tem capacidade para quase 38 mil pessoas e este ano ocorre de 3 a 20 de outubro.

Belo Horizonte também vem atraindo o turista interessado em cerveja. No próximo mês, a capital será sede do Minas MixBeer, entre 6 e 7 de setembro. O evento deve atrair cerca de 10 mil pessoas entre profissionais e apreciadores da cerveja. 


A Belotur, empresa de turismo da prefeitura de Belo Horizonte, pretende criar um roteiro de visitação às 18 cervejarias da capital, entre elas a Cervejaria Backer, que inaugura até o final do ano um parque cervejeiro aberto aos turistas. O espaço terá 4 mil m² e contará também com restaurante, espaço para eventos, loja de insumos para fabricação de chopes e cervejas. Em São Paulo também acontece um evento etílico, o Brasil Bier, no mercado central da cidade, de 3 a 8 de setembro.

Fonte: Ministério do Turismo.

Evento em Florianópolis aborda a necessidade de investir em mão de obra qualificada para desenvolver o setor


A cidade de Florianópolis (SC) recebe entre 10 e 11 de setembro a quarta edição do Fórum de Turismo de Negócios (FTN). O evento vai tratar especialmente da importância da capacitação profissional no turismo de negócios e reunirá agentes de viagem, representantes da rede hoteleira, além de  empresários ligados à infraestrutura voltados para a Copa e as Olimpíadas. Entre os destinos nacionais representados no fórum estão as cidades de Pirenópolis (Goiás), Ribeirão Preto (SP), Brasília (DF) e os estados de Santa Catarina e Bahia.

De acordo com o presidente da Santa Catarina Turismo (Santur), Valdir Walendowsky, um dos palestrantes, 50% do turismo de lazer em Santa Catarina ocorre na alta temporada, mas o segmento de negócios reforça o turismo em diversas regiões do estado no restante do ano.
O Brasil é o 7° país que mais realiza congressos e convenções internacionais no mundo, segundo o ranking 2012 da Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA). O setor de turismo de negócios e eventos é o segundo maior fator de atração de visitantes estrangeiros para o Brasil: 25,6% dos turistas internacionais vêm ao país com essas finalidades, e seu gasto médio diário, US$ 127, é quase duas vezes maior que o desembolso dos turistas de lazer.

“O setor de negócios e eventos foi o que mais aumentou seu faturamento em 2012. No ano passado, realizamos 360 eventos internacionais no país”, disse o ministro do Turismo, Gastão Vieira. Cerca de 3,1 milhões de turistas brasileiros e 1,4 milhão de estrangeiros tiveram “negócios ou trabalho” como o motivo principal de suas viagens em 2011, de acordo com estudo do Ministério do Turismo. O turista corporativo tem boa escolaridade e alto poder aquisitivo.

Alguns indicadores revelam o empenho do país em melhorar essa posição: o turismo de negócios e eventos é incentivado pelo Ministério do Turismo em 900 municípios brasileiros, que, nos últimos 10 anos, receberam aporte de R$ 665,9 milhões para a construção ou reforma de centros de eventos e convenções e infraestrutura geral de apoio e acesso a esses equipamentos.


A abertura do Fórum de Turismo de Negócios será no dia 10 de setembro às 19h no Hotel Jurerê Beach Village e segue ainda no dia 11 com palestras de qualificação e capacitação. Também ocorre uma feira de exposição e negócios paralelamente. Entre os palestrantes confirmados está o ativista Gil Giardelli que falará sobre mídias sociais e a importância das empresas se manterem atualizadas. 

Fonte: Ministério do Turismo
Entrará em vigor as novas regras de acesso ao transporte aéreo de Passageiros com Necessidade Especial (Pnae), divulgadas pela Agência Nacional de Aviação civil (Anac). O objetivo do novo regulamento (Resolução nº 280/2013) é melhorar a qualidade do atendimento a esses passageiros.

As mudanças estão em sintonia com a Política Nacional para a Integração da Pessoa com Deficiência.


A nova norma abrange pessoas com deficiência, pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, gestantes, lactantes, pessoas acompanhadas por crianças de colo, pessoas com mobilidade reduzida, ou qualquer cidadão que, por alguma condição específica, tenha limitação na sua autonomia como passageiro.

A proposta não se aplica aos procedimentos de embarque e desembarque realizados fora do território nacional, nem aos prévios à viagem e durante o voo de uma etapa com partida fora do território nacional.

Uma das principais mudanças será transferir das companhias aéreas para o operador aeroportuário a responsabilidade pelo fornecimento de macanismos adequados para o embarque ou desembarque de Pnae, como é o caso dos passageiros que necessitem de macas ou cadeiras de rodas.

O aeroporto tem que prover o equipamento, mas a realização do embarque e do desembarque continua sendo de responsabilidade das companhias aéreas, que podem utilizar os equipamentos disponíveis no aeroporto ou prórpios.

Para que os aeroportos disponham desses equipamentos, a Anac instituiu um cronograma:até dezembro de 2013 para aeroportos que movimentaram mais de 02 milhões de passageiros por ano, até dezembro de 2014 para os com mais de 500 mil passageiros por ano e até dezembro de 2015 para os que movimentam 500 mil por ano ou menos.

As multas por descumprimento da norma variam entre R$10 mil, R$17,5 mil ou R$25 mil por infração.

Contato

Praça Mauá – 16A

Santos/SP – Brasil

13-9-97365637

Newsletter

©Turismo & Ideias – todos os direitos reservados.

Newsletter

Contato

Praça Mauá – 16A

Santos/SP – Brasil

13-9-97365637

©Turismo & Ideias – todos os direitos reservados.