Quando pensamos na Região Centro Oeste onde o Turismo se desenvolve rapidamente e atrai turistas de várias partes do mundo. Mas, a primeira coisa que vem na cabeça é Bonito, Pantanal Mato-Grossense ou Brasília?

Pode ser as duas coisas, afinal Brasília é onde está o comando do país e Bonito é o mais conhecido e comentado por suas águas cristalinas. Já o Pantanal foi reconhecido pela UNESCO como uma das mais exuberantes e diversificadas reservas naturais do Planeta, integrando-o ao acervo dos Patrimônios da Humanidade.

Mas também possui as chapadas, como a dos Guimarães, em Mato Grosso, e a dos Veadeiros, em Goiás. No sudeste goiano, a atração é o Parque Nacional das Emas. Há ainda Brasília, fundada em 1960 e caracterizada pela moderna arquitetura e que hoje é uma das maiores cidades brasileiras – “Patrimônio da Humanidade”.

 As cidades históricas goianas de Pirenópolis e Goiás (ex-capital do estado de Goiás) preservam casarios e igrejas do período colonial, com mais de 200 anos, possuindo boa rede hoteleira.

Quem acompanhou a novela Araguaia da Rede Globo, pode conhecer um pouco das belas do Araguaia, com suas cachoeiras, lagos e praias, perfeita para o descanso e a inesquecível plantação de girassóis do personagem Solano (interpretado por Murilo Rosa), deu também pra ter uma noção de como é o Turismo por lá, através da Operadora de Viagens fictícia: Passeios de barco, Jet-Sky, e outros.    

 Fazem parte da Região Centro-Oeste os estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás e o Distrito Federal, e nas próximas semanas, vamos conhecer um pouco de cada um deles. 

Outra coisa que tem muito na região são cantores sertanejos, uns bons outros nem tanto, mas a música é a mais sentimental e retratam bem a alma e a paixão do povo brasileiro, claro que para apreciar é preciso gostar.

Mas quem não gosta de em uma noite de lua cheia, sentar em frente a uma fogueira e ouvir uma boa moda de viola?

Mala extraviada, vôo cancelado, hotel inferior ao reservado, o pacote não corresponde a tudo aquilo que você comprou ou que tinha no folheto?
Para evitar esses e outros problemas, basta tomar algumas atitudes simples, mas que sempre valem muito.
Antes de viajar, faça uma pesquisa sobre a empresa que você vai contratar o serviço, esse cuidado é importante porque se tiver problema os turistas terão a quem recorrer ou responsabilizar em caso de quebra de contrato.
Para isso é só consultar o Cadastur (Cadastro Nacional de Prestadores de Serviços Turísticos) www.ministeriodoturismo.gov.br.
Com esse cadastro, as agências operadoras, meios de hospedagem, transportadoras, acampamentos, parques temáticos e guias são obrigados a fazer o registro, que confirma que a empresa existe e está em dia com suas obrigações legais na data de certificação.
É importante lembrar que não são todos os prestadores de serviços turísticos que precisam estar cadastrados. Para algumas empresas, o cadastro é opcional. Nestes casos, é importante que você se certifique de que ele esteja ao menos formalizado.
Confira os setes tipos de serviços que são obrigados a realizar o cadastro:
  • Agência de Turismo
  • Meio de Hospedagem
  • Transportadora Turística
  • Guia do Turismo
  • Organizadora de Eventos
  • Acampamento Turístico
  • Parque Temático
Vale consultar também amigos e familiares que já tenham utilizado o serviço para saber se a empresa ou profissional prestou o serviço de forma satisfatória.

Seus Direitos

Em caso de problemas na prestação de qualquer serviço turístico, procure o PROCON (Órgão de Proteção e Defesa do Consumidor) para fazer a reclamação.
Para isso tenha sempre em mãos os comprovantes dos serviços turísticos contratados. Valem anúncios de jornais, de internet, vouchers, entre outros comprovantes.
No mais, é só ter conhecimento e os cuidados de sempre ao comprar um produto ou viagem, depois é só aproveitar! 

Dia lindo de Sol, a recomendação é conhecer a Costa da Mata Atlântica, mais conhecida como Baixada Santista. 


Em uma de suas nove cidades você pode escolher entre curtir a praia, fazer uma trilha…
tomar banho de cachoeira, tomar banho de rio, passear de escuna….. 
passear no Bonde Turístico em santos e conhecer todo o Centro Histórico que agora pode ser agendado, andar de bicicleta nas ciclovias.

São nove cidades, cada uma com seu estilo e cabe ao turista ou ao morador escolher o passeio que mais lhe agrada ou o que tiver vontade, opções não faltam.

Com uma gastronomia rica variada de pratos típicos aos mais sofisticados e as tradicionais pizzarias para o fim de noite!!

Vale a pena conhecer e voltar sempre!!
Salto, uma pequena cidade com 100mil habitantes a 100 Km da capital , tenta cada vez mais desenvolver seu potencial de estância turística.

 

O que fazer em Salto:

De todos os passeios possíveis, o Parque Rocha Moutonné é o mais exótico. Primeiro parque ecológico e geo-histórico da América do Sul, ele tem formações rochosas com marcas de glaciação da era paleozóica. Já o Parque de Lavras é um bom passeio para contemplação – a usina hidrelétrica (1906), desativada há mais de 40 anos, foi feita com granito róseo e seus jardins com bromélias são encantadores. Se a intenção é mexer o esqueleto, o Parque do Lago é mais indicado: tem ciclovia, pista de cooper, quadras, playground e pista de aeromodelismo. Mas se você apenas quer ver o tempo passar, vá ao Convívio D. Pedro II, uma rua cheia de sorveterias, lanchonetes e restaurantes.


O que visitar em Salto:

Pontos turísticos

Cachoeira
Praça Dr. Archimedes Lammoglia – Centro
O rio Tietê começou a se formar a 65 milhões de anos atrás e até o século XX ele era limpo, possibilitando a pesca. O rio Tietê nasce na Serra do Mar em Salesópolis/SP e deságua no rio Paraná, em direção ao interior, por isso foi muito importante para os Bandeirantes, os quais vinham das cidades litorâneas, e pelo rio desbravavam os sertões do Estado e do País.
O rio Tietê em nossa região é muito acidentado, pois estamos sobre uma faixa denominada fall-line (linha de queda). Neste local, o rio Tietê, apresenta sua maior queda d’água. 
No século XX, todos viajantes que passavam pelas cidades de São Paulo e Itu e vinham a “Salto de Itu” para ver a cachoeira. O imperador D. Pedro II visitou a cachoeira por duas vezes.
Nossa cidade se chama Salto devido a esta cachoeira. Este mesmo acidente geográfico também deu o nome a cidade vizinha de Itu, que em tupi-guarani significa “salto”. A cidade chamou “Salto de Itu” até 1917, quando fora tirado o aposto Itu do nome de nossa cidade.

Monumento à Fundação
Praça Antônio Vieira Tavares – Centro – Salto/SP – em frente à Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrat
Grupo de cinco estátuas criadas pelo escultor Murilo Sá Toledo.
Em 16 de junho de 1698, o Capitão Antônio Vieira Tavares e sua mulher, dona Maria Leite, fizeram benzer, pelo padre Felipe de Campos, a capela dedicada a Nossa Senhora do Monte Serrat, erguida em seu Sítio Cachoeira. As terras, mais tardes doadas pelo casal à capela, viera a constituir o território de Salto.
À memória dos fundadores e de sua iniciativa ergueu-se este monumento, como expressão do respeito e da gratidão do povo da cidade de Salto.

Praça do Granito de Salto

Localizada no Jardim Itaguaçu – a 2 km do centro da cidade.
Inaugurada em 21 de abril de 2007, é o elo entre o monumento à Padroeira e o Parque de Lavras. Abriga a nova portaria do Parque de Lavras. É uma homenagem aos canteiros (cortadores de pedra), que foi uma atividade intensa na cidade na primeira metade do século XX, e também mostra um pouco dos vários tipos de granito róseo que podem ser encontrados em nossa cidade.

 Monumento à Padroeira
Praça João Paulo II, s/nº – Jd. Itaguaçu – a 2 km do centro da cidade.
Com 30 metros de altura em concreto armado, o Monumento à Padroeira foi edificado em homenagem a Nossa Senhora do Monte Serrat. É o maior monumento a Maria em todo o mundo e, no Brasil, só é menor que o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.  A imagem da ponta da cruz aos pés tem 17 metros, a base tem 5,50 metros e a rampa de acesso conta com 7,50 metros, totalizando 30 metros. 

 Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrat
Praça da Bandeira, s/nº – Centro
Construída em 1936, ocupa o lugar onde existia a capela de 1698, que foi edificada pelo Capitão Antonio Vieira Tavares, dando origem à cidade de Salto.

 Ponte Pênsil
Praça Dr. Archimedes Lammoglia – Centro
Foi construída em 1913, para possibilitar o acesso de pescadores ao antigo “Porto das Canoas”. Constitui atrativo turístico especialmente por instigar o espírito aventureiro de visitantes a aproximar-se de um belíssimo cenário às margens do Rio Tietê.

Convívio D. Pedro II
Av. D. Pedro II – Centro
É uma das principais ruas comerciais da cidade e também o ponto de encontro de jovens e famílias nas noites e finais de semana, principalmente no verão. Conta com sorveterias, lanchonetes e restaurantes, formando um clima agradável para encontrar amigos e desfrutar de momentos de lazer. Foi inaugurada em dezembro de 1991.

Praça XV de Novembro
Inaugurada em 16 de junho de 1968, uma das praças mais movimentadas da cidade. É um ponto de encontro de pessoas de todas as idades.

Praça Antônio Vieira Tavares
Centro – em frente à Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrat.
Era conhecida como Pátio da Igreja. Em 28 de maio de 1934, tomou o nome atual. Pertence ao núcleo inicial da Povoação de Salto da última década do século XVII. A demora da cidade em homenagear o seu fundador se deve ao fato de que, até as primeiras décadas do século XX, ninguém sabia ao certo quem era ele, além da dúvida de que o povoado surgira naturalmente com o agrupamento indiscriminado de gente vinda da vizinhança e de índios que habitavam a região. Livros “tombo” de igrejas serviram para desvendar esse quase mistério. Está localizada no marco zero da cidade, em frente à Igreja Matriz e do prédio da antiga fábrica Brasital.

Escola Estadual Tancredo do Amaral

Avenida D. Pedro II – esquina com Rua Prudente de Moraes – Centro
Por meio de um decreto de 20 de outubro de 1913, Salto passava a contar oficialmente, com o primeiro Grupo Escolar, com a anexação de oito escolas isoladas e criando-se mais duas classes. O início de seu funcionamento deu-se no dia 28 do mesmo mês, embora a inauguração oficial só viesse a acontecer no ano seguinte. Todavia, só em 21 de abril de 1932, o vestuto casarão da Av. D. Pedro II, receberia o nome de “Grupo Escola Professor Tancredo do Amaral”, uma justa homenagem a um dos primeiros professores de Salto. Antes disso, por algum tempo foi também conhecido pelo nome de Grupo Escolar “João Pessoa”. É um patrimônio tombado pelo CONDEPHAAT em 30 de dezembro de 2002.

Prédio da Antiga Fábrica Brasital
Praça Antônio Vieira Tavares – Centro
O prédio da Brasital tem estilo arquitetônico inglês, baseado em castelos medievais, tendo sido usado em sua construção o Granito Salto, o granito róseo típico de nossa região. No início do século XIX, Salto vivia basicamente da agricultura, pesca e pecuária. Na metade do século XIX, com o surgimento da ferrovia (1873), começaram a surgir as primeiras indústrias têxteis, a Júpiter e a Fortuna. Em 1904, a Júpiter e a Fortuna foram compradas pela Sociedade Ítalo-Americana.
O complexo passou a chamar-se Brasital em 1919 (o nome Brasital é a junção de Brasil e Itália). A Brasital empregou muitos imigrantes italianos e também saltenses. Na época, Salto tinha 5000 habitantes, sendo que 1300 trabalhavam na Brasital.
A Brasital também foi conhecida como “mãe dos saltenses” por conceder muitos benefícios à cidade como: empregos, casas para funcionários, cooperativa, creche e convênio médico. Em 1981, a Brasital foi vendida para o Grupo Santista que atuou em Salto por mais 14 anos e em 1995 a Santista encerrou suas atividades em Salto. Em 2000 o prédio foi comprado por um centro universitário.

Monumento aos Imigrantes
Avenida D. Pedro II – esquina com Rua 9 de Julho – Centro
Em dezembro de 1991, juntamente com o Convívio D. Pedro II foi inaugurado o Monumento aos Imigrantes. A obra, de autoria de Dionício José Manoel Freire, presta homenagem aos imigrantes europeus, principalmente os italianos, que marcaram o panorama social e cultural da cidade.


Mais informações: www.salto.sp.gov.br

Se você não gosta de turistas, mas mora em uma cidade turística e se sente invadido todas as vezes que têm um feriado prolongado e um verdadeiro exército de turistas chegam à cidade para acabar com a sua tranqüilidade, dá para evitar aborrecimentos com pequenas atitudes para facilitar a sua vida nesses dias:
·         Prepare um cardápio para todos os dias de feriado e faça as compras com antecedência, assim evita as filas de supermercado, padaria;
·         Compre livros, alugue filmes, reserve esses dias para por a leitura ou para ver aquelas séries que você sempre deixar pra quando tiver tempo;
·         Procure ir a praia sempre bem cedo, pois está mais vazia;
·         E evite os lugares mais badalados, caso resolva sair assim mesmo.
·         E faça tudo a pé, assim não vai ficar estressado com o trânsito.
Bom, todas essas sugestões eu faço e sempre dão certo, mas, procure se lembrar o quanto o Turismo é importante para as cidades, porque a atividade movimenta mais de 50 setores da economia e consequentemente, mais dinheiro e emprego para as pessoas.  

No resto é levar tudo com bom humor porque feriado acaba….

Falando ainda sobre Minas Gerais, vamos até Araxá, mais conhecida como a Terra de Dona Beija personagem que virou novela e possui um museu – Museu Histórico de Araxá Dona Beija – um casarão construído no início do século 19, seguindo as características arquitetônicas do período colonial mineiro e atrai turista o ano inteiro.

Famosa por suas águas provenientes de rochas vulcânicas, as águas de Araxá são alcalinas, sulfurosas e radioativas as propriedades terapêuticas das águas medicinas atraem turistas de outros regiões e países. Aliás, esse é um dos meus motivos preferidos para ir até lá.

Privilegiada, a região desfruta de rios, lagos, cachoeiras, trilhas e serras, favorecendo a pratica de passeios e esportes radicais. Hoje a cidade disponibiliza esportes como: escalada, rafting rapel, trail de motos e jipes, esqui aquático e vôo livre.

Hotéis fazenda e pesque-pague são ricas fontes de lazer e descanso na região.

O turista pode ainda conhecer e saborear a cachaça fabricada artesanalmente.

Somado a tudo isso, a serra da Bocaina, possui um dos mais belos visuais da região, com uma rampa para vôo livre, tem também um restaurante com quiosque e área de diversão para crianças, tornando o lugar aconchegante e ideal par a família toda.

É ou não é um lugar imperdível, perfeito para relaxar!!!    

  • ·         Ir em um barzinho claro,  e comer uma boa comida de boteco, aliás vocês sabiam que Belo Horizonte é considerada a cidade brasileira com maior número de bares por habitante?
  • ·         Ir ao Mercado Central, onde você encontra de hortifrutigranjeiros a artesanato. Cheiros, sabores e cores se misturam num grande mosaico, revelando muito mais que um comércio.
  • ·         Admirar a arquitetura de BH, claro, essa é pra quem gosta.  As montanhas e o verde dos parques convivem num clima de perfeita harmonia com os inúmeros edifícios. 
  • ·         Parque das Mangabeiras, ideal para passear com a família toda.
  • ·         Palácio das artes, muitas galerias de arte, um prato cheio pra quem gosta.

Mas é claro que cada um tem seus lugares preferidos, no mais é aproveitar e se divertir! 

  • ·         Visitar as Cidades Históricas é claro, afinal, um pouco cultura sempre é bom, mas vá preparado, porque é subida até não poder mais. Use roupas e calçados confortáveis, não esqueça a máquina fotográfica o chapéu. Ah! Uma garrafinha de água também é aconselhável.

  • ·         Comer comida de boteco, hum…Difícil é escolher o local e os petiscos, são tantos e um melhor que o outro.

  • ·         Caminhadas nos parques e terminar com um delicioso banho de cachoeira.  É tudo de bom, dá aquela energizada e deixa o estresse ir embora rapidinho.

  • ·         Ir até São Tomé das Letras com os amigos, subir até a pirâmide a passar a noite ao som do violão. Isso não tem preço.

  • ·         E gente, cair de boca nas delícias da comida mineira, esquecer por uns dias a dieta (é só por uns dias) que ninguém é de ferro, a aproveitar o pão de queijo, tutu de feijão, frango com quiabo e por aí vai…E os doces, nossa, compotas, doce de leite, goiabada…..

  • E quando voltar é pegar pesado na malhação pra derreter as calorias adquiridas, ou não!


É ou não é uma delícia afinal?

Não adianta, não tem como não falar de carnaval, mas depois de ver todas as programações das cidades, o que achei de diferente e interessante foi em São Sebastião – aliás – adoro essa cidade.


Além da programação normal que contempla toda a cidade, muita animação de costa a costa, com os desfiles das escolas de samba, blocos carnavalescos, as tradicionais marchinhas, matinês e concursos de fantasias, Baile,  concurso de fantasias infantis e tudo mais que se espera do carnaval.


Mas o que mais gostei foi o Carnamar que há mais de duas décadas colorindo o canal de São Sebastião, e está em sua 22ª edição, irá reunir mais uma vez embarcações como escunas e barcos, no domingo de Carnaval (19). A saída das embarcações será às 11h, no bairro São Francisco, em frente ao Convento Nossa Senhora do Amparo, em direção ao canal de Ilhabela.


Ao mesmo tempo, nas areias da praia do São Francisco, haverá esporte e recreação das 11h às 16h, com distribuição de brindes, atividades aeróbicas e de entretenimento com a programação do projeto “Conexão Verão”.
Na parte da tarde, tem o tradicional concurso de Miss e Mister Carnamar, com direto a troféus e brindes como premiação.


Quando retornarem à praia, os participantes receberão as premiações em dinheiro para a embarcação mais animada e a melhor enfeitada.

Fica a dica: pra quem quer algo diferente e perto é só ir até São Sebastião (nem é tão longe assim e só a paisagem da estrada já vale o passeio) e também, é uma ótima idéia pra se copiar aqui no litoral Sul porque o que não falta são barcos, marinas e mar é claro!

Contato

Praça Mauá – 16A

Santos/SP – Brasil

13-9-97365637

Newsletter

©Turismo & Ideias – todos os direitos reservados.

Newsletter

Contato

Praça Mauá – 16A

Santos/SP – Brasil

13-9-97365637

©Turismo & Ideias – todos os direitos reservados.